Presidente e vereador participam de cerimônia alusiva à Inconfidência Mineira em Tiradentes

O Presidente, Odair Ferreira (REDE) e o secretário, Nilton Cézar de Almeida (PSB), participaram no dia 21 de abril, da solenidade oficial

A convite do Prefeito Municipal, José Antônio do Nascimento, da cidade de Tiradentes, o Presidente da Câmara de Barbacena, Odair Ferreira (REDE) e o secretário da Casa e vereador, Nilton Cézar de Almeida (PSB), participaram no dia 21 de abril, última sexta-feira, da solenidade oficial da Inconfidência Mineira em Tiradentes/MG.

Na parte da manhã houve a cerimônia cívica, homenageando a Tiradentes com hasteamento das bandeiras do Brasil, Minas, do município e dos demais estados brasileiros; desfile cívico das escolas municipais e do Exército brasileiro; grupo de congado; recepcionamento e acendimento da pira com fogo simbólico da Inconfidência Mineira; homenagem da Cavalada da Inconfidência; apresentação do coral Viva Voz e apresentação do Grupo de Teatro Oficina Entre & Vista. A solenidade ainda contou com a participação especial das Bandas do Exército, Banda da Orquestra Ramalho e do Corpo de Bombeiros.

Odair Ferreira, disse a cerimônia e o momento em que o país vive, serve de lição para que todos os parlamentares e governantes deste país lembrem a história, luta de Tiradentes para a libertação do país. “Esta cerimônia lembra a luta de um homem que motivou toda uma geração por liberdade. Lutou até o fim por seus ideais e por um povo que tanto sofria como nos dias de hoje. Devemos então fazer uma reflexão sobre a atualidade e o sofrimento dos brasileiros, que após anos, ainda são prisioneiros da ganância de alguns”, finalizou.

 Tiradentes, o Inconfidente

Desde 1965, no dia 21 de abril celebra-se no país o Dia de Tiradentes. O feriado nacional é em homenagem a Joaquim José da Silva Xavier, que foi enforcado e esquartejado em 1792 devido ao envolvimento com o movimento da Inconfidência Mineira, que reclamava a independência do Brasil.

Além da profissão original de tropeiro, ele foi assim reconhecido pela habilidade em lidar com problemas dentários, tendo até uma pequena maleta com alicates de extração de dentes, segundo historiadores. Joaquim realizou trabalhos em diferentes profissões, foi médico prático e mascates, no entanto, destacou-se na região onde morava pela habilidade que tinha em tirar e colocar dentes feitos por ele mesmo, recebendo, inclusive, o apelido.

Tiradentes se uniu ao regimento dos Dragões de Minas Gerais como alferes (cargo militar da época colonial) em 1775, mas desistiu da carreira militar em 1787 e foi para o Rio de Janeiro. Na nova cidade, conheceu líderes de um movimento de independência. Ao voltar a Minas já tinha planos de transformar São João Del Rei na capital do país, libertar escravos nascidos no Brasil, mudar o governo para uma república, entre outros sonhos.

 Tiradentes foi enforcado

Todos os inconfidentes foram presos. Tiradentes foi apanhado no Rio de Janeiro. O processo estabelecido contra eles e os subsequentes julgamentos e sentenças só terminaram em 1792, no dia 18 de abril. Os principais líderes receberam a pena do banimento, isto é, foram expulsos do país. Tiradentes, ao contrário, foi enforcado no dia 21 de abril ao som de discursos que louvavam a rainha de Portugal. Seu corpo foi esquartejado e sua cabeça exibida na praça principal da cidade de Ouro Preto.

Após a Independência do Brasil e, principalmente, após a Proclamação da República, a imagem de Tiradentes começou a ser recuperada e louvada como um dos heróis da nação ou como um dos que primeiramente lutaram (até a morte) pela liberdade.